domingo, 3 de junho de 2018

Em obras há 8 anos, abatedouro de Ceará-Mirim sairá seis vezes mais caro




Tribuna do Norte

Em obras desde 2010, o abatedouro público de Ceará-Mirim deve ser inaugurado no próximo mês de julho a um custo quase seis vezes maior do que o orçado inicialmente. A previsão da data de abertura é do Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural do (Emater-RN), que desde 2006 planeja construir onze novos abatedouros públicos no Estado. O abatedouro de Ceará-Mirim, que terá capacidade para abater 100 animais por dia, será finalizado por um valor 5,9 vezes superior ao original orçado em 2007: em 11 anos, o custo subiu de pouco mais de R$ 300 mil – incluindo estrutura física, equipamentos e instalações – para exatos R$ 1.737.713,90 (a contrapartida do Estado é de R$ 206.071,77). Ao todo, serão investidos R$ 10.152.651,77 na construção de onze novos abatedouros públicos.

Em janeiro deste ano a Emater-RN entregou o abatedouro de Baraúna (30 de janeiro) e, além de Ceará-Mirim, outros seis estão em obras nos municípios de Angicos, Acari, Florânia, Pedro Avelino, São José do Seridó e Santa Cruz. Segundo o órgão, “em breve”, também serão erguidos abatedouros públicos nos municípios potiguares de Nova Cruz, Taipu e Vera Cruz. No caso do abatedouro de Ceará-Mirim, em 2016, quando a obra estava 80% concluída e foi paralisada para ajustes no projeto, já havia sido gasto cerca de R$ 600 mil.


Os equipamentos demoraram tanto para serem erguidos, que as regras sanitárias mudaram durante o período e as plantas precisaram passar por correções: a dimensão da área onde as vísceras brancas (buxos, tripa fina, tripa fina escorrida, tripa grossa e tripa para chouriço de sangue) são manipuladas, por exemplo, aumentou de 10 metros quadrados para 12 m². Os projetos obedecem normas sanitárias determinadas pelo Instituto de Defesa e Inspeção Agropecuária do RN (Idiarn).


Sobre o atraso nas obras, a Emater-RN esclareceu, através de sua assessoria de imprensa, que “foram verificadas insuficiências de informações executivas e detectadas inconsistências nos projetos e orçamento, o que dificultaram sua execução e acompanhamento. Além disso, novas exigências sanitárias foram estabelecidas pelo Instituto de Defesa e Inspeção Agropecuária do RN (Idiarn)”.


O antigo abatedouro de Ceará-Mirim, construído na década de 1970, fechou as portas em 2014 por falta de condições sanitárias: a cidade cresceu, e em quatro décadas a zona urbana avançou em torno do equipamento. Como um abatedouro produz muitos efluentes e gera mal cheiro, o Ministério Público do RN determinou o fechamento a pedido dos vizinhos.




 Obs: E o de angará, quando irá deixar de ser um elefante branco, ou depósito de lixo reciclável. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário