quinta-feira, 31 de maio de 2018

Ceasa de Natal ainda sente efeitos da greve dos caminhoneiros




Os comerciantes da Ceasa de Natal amanheceram nesta quinta-feira (31) ainda sentindo os efeitos da greve dos caminhoneiros. A Polícia Rodoviária Federal desbloqueou as BRs que cortam o Rio Grande do Norte na noite desta quarta (30) e os caminhões presos nos bloqueios começaram a passar. Mas ainda se registra escassez de produtos alimentícios no estado potiguar. A expectativa é de que a situação seja normalizada nos próximos dias.

Na Ceasa o que mais falta é cebola, cenoura e batatinha. E quem tem vende caro. O saco de cebola de 45 quilos, por exemplo, está sendo comercializado a R$ 120. Antes os vendedores cobravam R$ 45 pela mesma quantidade. O saco de 50 quilos de batatinha, que antes custava R$ 120, agora é levado por R$ 400.

Essas mercadorias são enviadas ao Rio Grande do Norte por produtores de estados do Sul do país e também da Bahia. Os comerciantes acreditam que esse é o motivo da demora para chegada dos carregamentos.

Por outro lado, o abacaxi, vindo da Paraíba, já está sendo vendido normalmente na Ceasa de Natal. Segundo conta o comerciante Márcio Dias, o caminhão carregado da fruta conseguiu passar sem transtornos pela BR-101 após o desbloqueio.

Supermercados

Nos supermercados da Zona Sul da capital potiguar também se vê dificuldade para encher as gôndolas. As empresas estão limitando a quantidade de quilos de cada produto que podem ser levados pelos clientes. São, no máximo, cinco quilos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário